Solidários com todos e corresponsáveis entre nós


Paróquia da Ramada, Ano Pastoral 2020-2021

Neste ano pastoral, repleto, no seu arranque, de desafios e incertezas, iremos recentrar
a nossa acção na urgente configuração da vida de cada um de nós a Cristo. Com Ele, e
n’Ele, queremos percorrer individual e comunitariamente os caminhos em direcção aos
que se sentem na margem, esmagados pelo sofrimento e pela angústia.
É hora de colocar o nosso olhar e, sobretudo, o nosso agir, nas pessoas concretas que
sofrem por: não poder assegurar as condições materiais mı́nimas para os seus filhos e
para si; estar desempregadas; não conseguir lidar com o sofrimento do luto ou de
alguma doença grave; ver o seu ideal matrimonial desfeito; não conseguir educar os
filhos como sonharam; se sentirem sós e abandonadas; etc.. Além dos exemplos
apontados, este “et cetera” será determinante, na medida em que cabe a cada um de
nós, enquanto membros desta comunidade cristã, discernir as moções do Espı́rito do
Ressuscitado e encontrar cada irmão nosso, onde ele se encontra, para que seja aı́ por
Cristo encontrado.

Este não será um ano de reflexões, reuniões, planeamentos, ideias. Será ocasião
favorável para dar testemunho de Cristo no serviço sócio-caritativo concreto e eficaz.
Cada dia que passa em que um irmão nosso continua a sentir-se nalgum tipo de
margem social ou espiritual, é também responsabilidade nossa!… O desafio é o de
sermos solidários com todos, dando aos outros o que de Deus recebemos: “Recebestes
de graça, dai de graça” (Mt 10, 8b).

Um dos aspectos mais ricos da fé cristã reside na sua dimensão comunitária. Somos
Povo convocado por Deus, Igreja de Cristo, Assembleia santa, animada pelo Espı́rito
Santo. Por isso, nunca estamos sós: temos sempre Deus connosco e temo-nos uns aos
outros, corresponsáveis pelo acolhimento e crescimento do Reino dos Céus. Na
redescoberta do valor das sinergias que podemos desenvolver entre nós, e entre os
grupos, serviços e movimentos presentes na Paróquia, está um enorme potencial
evangelizador, que não queremos descurar. Para que nos sintamos corresponsáveis
entre nós, haverá certamente etapas a percorrer, começando pelo real conhecimento recı́proco mas, em virtude de habitar em nós o Espı́rito que nos une,
independentemente de carismas e diferentes percursos realizados, somos já um só
Corpo, que é Cristo. Podemos e devemos valorizar sempre mais tudo o que nos
congregue no Senhor, sabendo que a partir d’Ele, descobrimos os azimutes da missão.
Aceitemos o que Cristo nos sugere, escutemos a Palavra que incessantemente nos
dirige como farol da navegação, e façamos deste ano o que Deus quiser!

Padre Rui Jorge de Sousa Silva
(Pároco)


Calendário-Pastoral-Paroquial-2020-2021_v1